Salto Quântico…

Os físicos confirmaram que partículas distantes realmente podem influenciar umas às outras e agir de forma estranha que não pode ser explicada pelo senso comum ou, na sua maior parte, pelas leis da física tradicionais.

Esse comportamento bizarro é conhecido como entrelaçamento, ou emaranhamento quântico, e apesar de muitas experiências mostrarem que ele existe, esta é a primeira vez que foi demonstrado com um teste livre de brechas, provando que Albert Einstein (que definia esse comportamento como “assustador”) estava errado sobre a mecânica quântica.

De acordo com a teoria quântica, a natureza de uma partícula não existe até que ela seja medida, o que significa que ela apenas existe em um estado de superposição até que alguém decida observar. As partículas também podem ser entrelaçadas, o que significa que elas estão intimamente ligadas entre si não importa a distância que as separem – se o estado da partícula A, localizada do outro lado do universo, for alterado, o estado da partícula B, aqui na Terra, também será, instantaneamente.

Então isso significa que quando você mede uma partícula, você não só está determinando a sua natureza naquele momento, você também está definindo a natureza da sua parceira emaranhada. É por esta razão que Einstein, e muitos outros físicos, duvidaram da existência do emaranhamento quântico, porque essencialmente significa que a informação passa entre as duas partículas emaranhadas muito mais rápido do que a velocidade da luz – possivelmente em uma velocidade infinita.

Este último experimento envolveu físicos da Holanda, Reino Unido e Espanha, que emaranharam pares de elétrons separados por uma distância de 1,3 km. Liderados pelo pesquisador B. Hensen da Delft University of Technology, na Holanda, a equipe mediu um dos elétrons enquanto um grupo observava imediatamente se seu parceiro era afetado.

Este é conhecido como “experimento Bell”, concebido na década de 1960 pelo físico irlandês John Bell para testar se havia uma explicação mais sensata para o emaranhamento. Segundo a visão racional do mundo, depois de uma certa distância, a correlação deve deixar de existir conforme as partículas estão muito longe para se comunicar umas com as outras. Mas de acordo com a teoria quântica, não há limite de distância.

Ao longo dos últimos 30 anos, a experiência de Bell foi tentada muitas vezes, sempre mostrando que a teoria quântica é real. Mas em todos esses experimentos havia lacunas – em geral o fato de que a maioria dos pesquisadores emaranhava os fótons, mas não conseguia medir devido à sua natureza super-rápida, tornando os resultados inconclusivos.

Em uma tentativa de fechar essa lacuna, muitos físicos usaram íons emaranhados em vez de fótons. Mas isso abria outra lacuna, porque estes íons não ficavam suficientemente afastados, abrindo a possibilidade de que a comunicação era feita em uma velocidade menor que a da luz.

O novo experimento conseguiu fechar essas brechas combinando os benefícios de fótons com elétrons, que são mais fáceis de medir. Para fazer isso, a equipe emaranhou o spin de dois elétrons com dois fótons diferentes. Esses dois elétrons estavam localizados em laboratórios separados por 1,3 km, enquanto os fótons foram enviados para um terceiro local e, em seguida, emaranhados em separado com os outros.

Assim que os fótons são emaranhados, bingo, os dois elétrons originais giram, mesmo em laboratórios muito distantes. A equipe realizou 245 testes do experimento, comparando elétrons entrelaçados e relatam que o limite de Bell é violado, e mostrando uma das raras vezes que Einstein estava errado.

O experimento também é um enorme passo para a criptografia quântica, que é um sistema de segurança hipoteticamente impossível de ser violado, uma vez que depende de partículas emaranhadas para verificação. ~ScienceAlert~

O que é um Salto Quântico?

“O chamado Salto Quântico, acontece quando se excita o átomo, ou seja, dá-se energia a ele. Os movimentos dos elétrons se aceleram, ganhando energia, e distanciando-se dos núcleos. Este afastamento dos núcleos acontecem aos saltos, saltando do nível 1 para 2 no primeiro salto, de 2 para 4 no segundo salto etc…”

Vamos aprofundar o Caso:

As pessoas que “cunharam” esse termo foi primeiramente o físico Alemão Max Planck (quântico de “quantas”, isto é Quantidade) e depois o Físico Dinamarquês Niels Bohr, (complementou com o principio do “Salto”) foi ele (Bohr) que resolveu um grande Mistério da Física, sobre o entendimento de como funciona o Átomo.

Niels Bohr com seu colega de trabalho Albert Einstein:

Max Planck o “Pai” da Teoria Quântica:

Vejamos:

“…Quando regressou à Dinamarca em 1913, Bohr procurou estender ao modelo atômico proposto por Rutherford os conceitos quânticos de Planck. Bohr acreditava que, utilizando a teoria quântica de Planck, seria possível criar um novo modelo atômico, capaz de explicar a forma como os elétrons absorvem e emitem energia radiante. Esses fenômenos eram particularmente visíveis na análise dos espectros luminosos produzidos pelos diferentes elementos. Ao contrário do produzido pela luz solar, esses espectros apresentam linhas de luz com localizações específicas, separadas por áreas escuras. Nenhuma teoria conseguira até então explicar a causa dessa distribuição.

Em 1913, Bohr, estudando o átomo de hidrogênio, conseguiu formular um novo modelo atômico. Bohr concluiu que o elétron do átomo não emitia radiações enquanto permanecesse na mesma órbita, emitindo-as apenas quando se desloca de um nível de maior energia (órbita mais distante do núcleo, onde a sua – do elétron – energia cinética tende a diminuir enquanto que sua energia potencial tende a aumentar; mas, sua energia total aumenta) para outro de menor energia (órbita menos distante, onde sua energia cinemática tende a aumentar e sua energia potencial tende a diminuir; mas, sua energia total diminui).

A teoria Quântica permitiu-lhe formular essa concepção de modo mais preciso: as órbitas não se localizariam a quaisquer distâncias do núcleo, pelo contrário, apenas algumas órbitas seriam possíveis, cada uma delas correspondendo a um nível bem definido de energia do elétron. A transição de uma órbita para a outra seria feita por saltos pois, ao absorver energia, o elétron saltaria para uma órbita mais externa(conceito quantum) e, ao emiti-la, passaria para outra mais interna (conceito fóton). Cada uma dessas emissões aparece no espectro como uma linha luminosa bem localizada…”

Max Planck quando Jovem
Então ai está! Esse termo foi adotado para representar isso! Isto o que?

“A mudança de vibração de um estado a outro de uma vez só, sem um gradual aumento ou diminuimento dessa vibração que possa ser medido”

É o mesmo que eu me deslocar de um andar a outro de um prédio, só que sem usar de escadas ou elevador, seria mais um teletransporte.
Entendido então? É por isso que a iniciação chama-se o “Salto Quântico”, pois é o Salto de uma situação de duvidas e dificuldades, para outra de esclarecimentos e facilidades.

O termo também foi adotado para associar o nosso trabalho a tudo que há de mais novo e moderno que tem sido descoberto na Ciência de Vanguarda, esse “clima místico” que envolve a Física Teórica e a Mecânica Quântica é por que essas ciências estão chegando perto de confirmar o que os ocultistas já sabem desde os tempos imemoriais. Essas disciplinas finalmente estão chegando onde os míticos “Magos(as)”, “Bruxos(as)” e paranormais num geral, sempre falavam que existia, mas que era desconhecido das pessoas comuns por causa da falta das capacidades superiores e também de equipamentos…

Mecânica Quântica – Mistérios do Universo….

Além do Cosmos – Mecânica Quântica – Micro Partículas – Mundo Quântico – Física das Partículas – National Geographic:

Descobrindo os segredos do universo com a Mecânica Quântica…

A hipótese de Max Planck (1900), de que toda energia é irradiada e absorvida na forma de elementos discretos chamados QUANTA, deu origem à Mecânica Quântica e, uma vez tendo se tornado acessível, a Física de partículas jamais voltaria a ser a mesma.

Baseado na proposição de Planck, Albert Einstein postulou que a própria luz é formada por “quanta” individuais, apresentando o Efeito Fotoelétrico pelo qual foi agraciado pelo Prêmio Nobel de Física. Quanta de luz veio a ser chamado de Fótons (1926).
Desta postulação de Einstein, nasceu a credibilidade da Teoria de Planck, dando consequência a debates, teorias e testes envolvendo a Mecânica Quântica, o que levou a sua aceitação, na 5ª Conferência de Solvay (1927).

Benjamin Couprie. Bruxelas, 1927

A Teoria Quântica previu, então, novos fenômenos, observações estranhas e predisse a existência de novas partículas fundamentais. Predisse que a luz pode ser, também, uma partícula: o Fóton; e que os elétrons podem, às vezes, se comportar como ondas. No átomo, os elétrons, em vez de orbitar em torno do núcleo, como os planetas do nosso sistema (Física Clássica), formam uma nuvem difusa centrada no núcleo, uma nuvem não feita de matéria, mas de probabilidades. Com os aceleradores de partículas cada vez maiores, foram descobertos novas partículas, como os neutrinos e múons.

A composição do Universo….

No Modelo Padrão da Mecânica Quântica, tudo no universo é feito a partir de 16 partículas fundamentais, cuja existência foi confirmada por experimentos em aceleradores, mais a 17ª partícula detectada pelo Grande Colisor de Hádrons: o Bóson de Higgs – também conhecida como a partícula de Deus.

As partículas são: 6 quarks divididos em pares (up/down, charmed/strange e top/bottom). Há 6 léptons, também, formando pares: elétron, múon e távon e seus pares correspondentes neutrinos. Estas partículas são chamadas de Férmions (pelas características) e mantidas por meio das forças: eletromagnetismo, força nuclear forte e força nuclear fraca – a gravidade não entra.

As outras partículas são: o Fóton que media a força eletromagnética, os Bósons Z e W que mediam a força fraca e o Glúon media a força nuclear forte. Essas partículas, juntamente com o Bóson de Higgs, acrescentam massas aos Férmions. A distinção entre Fémions e Bósons é importante, pois têm diferentes propriedades estatísticas.

Uma nova era do conhecimento científico e filosófico

(PSI/A. Antognini und F. Reiser)

Em primeiro lugar, a Mecânica Quântica serve para explicar o Universo conhecido: as partículas elementares de matéria e de antimatéria, o átomo e sua estrutura, a constituição e propriedades da matéria ordinária em suas diversas formas, a origem e a evolução do universo. Há também um número imenso de aplicações na técnica, como a energia nuclear, os lasers e seus diversos empregos em comunicações, medicina e indústria, além do computador, cujos componentes básicos são aplicações da física quântica. Na medicina, além do laser, não pode-se deixar de mencionar a imagem por ressonância magnética, uma aplicação direta de conceitos quânticos.

O mundo moderno é impensável sem a física quântica. Do ponto de vista do conhecimento, ela nos permite entender o mundo físico, sua aparência e seus mistérios. Devido a isso, a Mecânica Quântica está cada vez mais presente em trabalhos de filosofia, psicologia e até teologia. É uma descoberta tão importante que pode ser comparada quando Copérnico provou que a Terra girava em torno do Sol e não o contrário, quebrando todos os paradigmas do universo científico e teológico da humanidade.

Física Quântica e Espiritualidade - Laércio B. Fonseca

Fontes:
http://www.mlahanas.de/Physics/Bios/NielsHenrikDavidBohr.html
http://www.comciencia.br/reportagens/fisica/fisica14.htm
http://www.imagick.org.br/zbolemail/Bol05x08/BE08x10.html
http://www.ceticismoaberto.com/ceticismo/misticismo_quantico.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Teoria_qu%C3%A2ntica
http://pt.wikipedia.org/wiki/Niels_Bohr
http://www.comciencia.br/reportagens/fisica/fisica15.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Heisenberg
http://pt.wikipedia.org/wiki/Max_Planck
http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2006/07/problemas_do_mu.html
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s