Força curativa da respiração…

A utilização de várias técnicas de respiração com propósitos religiosos e curativos pode ser encontrada na história da humanidade. Nas culturas antigas a respiração desempenhou um importante papel em cosmologia, mitologia e filosofia, assim como foi uma ferramenta importante nas práticas rituais e espirituais. Desde o início da história, quase todos os principais sistemas psicoespirituais que buscam compreender a natureza humana têm visto a respiração como um elo crucial entre corpo, mente e espírito. Isso se reflete claramente nas palavras que significam respiração em várias línguas.

Na literatura indiana, o termo prana significa não apenas respiração física e ar, mas também a essência sagrada da vida. Similarmente, na tradicional medicina chinesa, a palavra chi refere-se à essência cósmica e à energia da vida, assim como ao ar natural que respiramos com nossos pulmões.

No Japão, a palavra correspondente é ki. O ki representa um papel de extrema importância nas práticas espirituais japonesas e nas artes marciais. Na Grécia antiga, a palavra pneuma significava tanto ar, como respiração, espírito ou essência da vida.

Os gregos também viam a respiração em relação de proximidade com a psique. O termo phren era usado tanto para o diafragma, o maior músculo envolvido na respiração, quanto para a mente (como podemos ver no termo esquizofrenia = mente cindida).

Na antiga tradição hebraica, a mesma palavra, ruach, significava respiração e espírito criativo, que eram vistos como idênticos. Em latim, o mesmo nome era usado para respiração e espírito — spiritus. Similarmente, nas línguas eslavas, espírito e respiração têm a mesma raiz linguística. Há séculos que se sabe ser possível influenciar a consciência com técnicas que envolvem a respiração. Os procedimentos que têm sido usados para esse propósito, por várias culturas antigas e não-ocidentais, cobrem um âmbito muito grande, desde interferências drásticas na respiração até os exercícios sutis e sofisticados de várias tradições espirituais. Desse modo, a respiração não serve somente à preservação da saúde, à prevenção de doenças ou à sua cura, mas leva também ao relaxamento, ao mergulho dentro de si mesmo e à ampliação da consciência. Nesse caminho, a força da respiração torna-se a fonte da harmonia entre o espírito e o corpo.

O livro a Força curativa da respiração, contém formas práticas de exercícios respiratórios destinados a combater as mais variadas moléstias e doenças do corpo,assim como angústias, depressões e outros problemas psíquicos. Não é sem razão que, em todas as atividades que dependem do sugestionamento — acima de tudo, na hipnose e no treinamento autógeno, a respiração,aplicada consciente e objetivamente, desempenha um papel importante. Por outro lado, utiliza-se também a força da imaginação como um elemento essencial da terapia respiratória. Por isso, acrescenta-se a cada exercício uma fórmula sugestiva ou uma imagem com função meditativa, que apoia e aumentando poder de cura da respiração. Desse modo, a respiração não serve somente à preservação da saúde, à prevenção de doenças ou à sua cura, mas leva também ao relaxamento, ao mergulho dentro de si mesmo e à ampliação da consciência. Nesse caminho, a força da respiração torna-se a fonte da harmonia entre o espírito e o corpo.

Livro a Força Curativa da Respiração em PDF

COMO ATUA A RESPIRAÇÃO NA CURA…

É comum que a pessoa que está com a alma adoecida respire muito mal. Na maior parte das vezes, mal tem consciência de sua respiração, pois nunca atentou para ela. Quando falamos: ” inspire, retenha ou expire “, às vezes a pessoa nem sabe o que é que estamos pedindo a ela. Ou então, sabe o que desejamos que faça, mas não tem controle sobre o ato de respirar, até sufocando nas primeiras tentativas. Na indicação dos exercícios respiratórios, tudo deve, portanto, ser feito calmamente, sem forçar ou deixar a sensação de que estamos propondo algo difícil, senão o doente da alma pode desistir antes de começar.

Caso sinta que tem dificuldades, procure um professor de ioga que vai colaborar, ensinando como respirar. Para pessoas que estão sem consciência da sua respiração ou que têm dificuldade em dominar os movimentos respiratórios, deve iniciar procurando uma condição inicial de percepção.

Deite-se e vá respirando normalmente, tentando apenas acalmar seu ritmo respiratório. Quando o ritmo estiver tranquilo, coloque uma das mãos sobre a barriga e a outra sobre o peito, fazendo com que observe seu movimento de encher e esvaziar os pulmões. Tente verificar se sua respiração movimenta mais o peito ou a barriga, se ela é curta ou longa.

Há quatro tipos de respiração:

1) a respiração alta ou clavicular, que usa a parte superior do peito e dos pulmões, fazendo erguer as clavículas e os ombros; essa respiração exige muito esforço e traz poucos benefícios.

2) a respiração média ou intercostal, que é feita movimentando costelas, peito e região do estômago; essa respiração é melhor que a alta, mas também é defeituosa, pois não usa toda a capacidade pulmonar.

3) a respiração baixa ou abdominal, que absorve maior quantidade de ar, mas que tem a falha de não usar a parte superior do pulmões, cujos tecidos se atrofiam.

4) a respiração completa, que movimenta todo o sistema de respiração, por igual. Nessa respiração, começamos a encher os pulmões pela parte inferior e vamos ascendendo, até chegar à parte mais alta. A inspiração é feita ao contrário, com movimento que vem de cima para baixo. Depois, coloque sua mão sobre o ventre e conte os tempos de inspiração e expiração, para perceber que existe um tempo para cada movimento. A seguir, retenha a respiração, faça uma retenção com os pulmões vazios e noutra, faça a retenção com os pulmões cheios. Com consciência do ato de respirar, é mais fácil praticar os exercícios.

UM ROTEIRO DIÁRIO DE EXERCÍCIOS…

Os três exercícios que são fundamentais e formam um roteiro básico para fazer diariamente são:
1) respiração glandular,

2) respiração polarizada simples e

3) respiração de limpeza com sopro sem parada.

Como o ato de respirar é a base da vida, sempre ensino a agradecer a Deus, ao terminar os exercícios respiratórios. O agradecimento pode acontecer com uma reverência, com as mãos postas à frente do peito, como a postura das mãos na prece.

Quem desejar, poderá falar alguma frase em agradecimento pelo dom de ter uma respiração sadia, tal como:

AGRADEÇO POR PODER RESPIRAR E RECEBER OS FLUIDOS DIVINOS DE CURA.

  • Kumbhaka – Respiratório completo com retenção e ritmo

kumbhaka é compreendido como uma apnéia voluntária e com ritmo. Em outras palavras, o exercício consiste em ritmicamente inspirar, prender o ar nos pulmões e expirar, recomeçando novo ciclo.

Variação 1 – inspiração, retenção com ar, expiração

Sugestão de ritmo 3:3:3:0 (em segundos)

  • Depois da desobstrução das vias aéreas, sente-se em uma posição confortável com a coluna ereta e os olhos fechados.
  • Inicie a inspiração (puraka) em 3 segundos, inspire lento e profundamente, observe o ar entrando.
  • Depois de ter os pulmões cheios de ar, retenha com os pulmões cheios (kumbhaka) pelo tempo de treinamento (3 segundos).
  • Comece agora a expiração (rechaka), que se completará quando você tiver esvaziado seus pulmões em 3 segundos.
  • Inicie novamente (nesta variação não realizamos a retenção sem ar)

Faça por 3 minutos.

Obs: Conforme o praticante treinar este respiratório, seu aprimoramento exigirá o aumento de tempo em cada etapa, sempre mantendo a mesma proporção. Atentando-se ao ritmo estabelecido.

Variação 2 – inspiração, retenção com ar, expiração e retenção sem ar

Sugestão de ritmo 3:3:3:3 (em segundos)

  • Depois da desobstrução das vias aéreas, sente-se em uma posição confortável com a coluna ereta e os olhos fechados.
  • Inicie a inspiração (puraka) em 3 segundos, inspire lento e profundamente, observe o ar entrando.
  • Depois de ter os pulmões cheios de ar, retenha com os pulmões cheios (kumbhaka) pelo tempo de treinamento (3 segundos).
  • Comece agora a expiração (rechaka), que se completará quando você tiver esvaziado seus pulmões em 3 segundos.
  • Uma vez com os pulmões vazios, realize a retenção sem ar (shunyaka) pelo tempo de 3 segundos. Quando precisar respirar reinicie o ciclo.

Faça por 3 minutos.

Nossa maneira de respirar pode mudar nossa percepção da vida é um caminho para o autoconhecimento e autocura…

Reparem nas grandes mudanças qualitativas que podem ocorrer em sua vida. Somente através da respiração. É mágico! Uma vez que você respira melhor, que alivia as tensões inconscientes, que você liberta a respiração, começa a se perceber mudando em todas as particularidades e níveis, e se descobre com todas as habilidades mais afinadas.

Quando a respiração é perfeita, todo o resto se equilibra, respirar é vida!

Respirar é mesmo sinônimo de vida, sim; mas a quase totalidade das pessoas prefere ignorar esse fato. E, claro, paga um preço por isso. O resultado dessa conta pode ser visto em qualquer ser humano desse mundo moderno:

Problemas de coluna, pressão alta, enxaquecas crônicas, gastrite, ansiedade, síndrome do pânico, fibromialgia, e tantos outros.

A sua dispersão se transforma em atenção, a insegurança em confiança, os seus medos vão simplesmente se dissipando e você repentinamente encontra entusiasmo para levar a sua vida à frente.

A respiração desbloqueada se torna música para você. E como benefício adicional, como o pulmão envolve o coração, respirar plenamente massageia o coração melhorando a circulação do músculo do coração, evitando e prevenindo todas as doenças relacionadas a ele, ao mesmo tempo em que torna você uma pessoa mais amorosa e emocionalmente alimentada. E sem amor, não há ponte possível entre você e seu criador.

Vou explicar aqui uma prática de Yoga muito simples, fácil e rápido para ser feito diariamente.

Nesta técnica de Yoga, absorvemos energias que são desconhecidas pela maioria dos ocidentais. Mas, vai dar bastante energia, saúde em todos os corpos constitutivos, inspiração e etc…

Encontrará o EQUILÍBRIO em tudo, com esta prática.

Vamos lá…

É o PRÂNÂYÂMA. Mas é pra fazer com Entus + siasmo, hein?

É assim:

NOTA: A Respiração correta deve ser feita em quatro tempos.

IDA (Pingala – termo usado na Cabalah – “Coluna direita da Cabalah” = Positiva)

1. Fechar a narina esquerda com o dedo anular e inspirar com a narina direita; (Por exemplo: Conte até quatro,inicialmente, mais tarde aumenta esse tempo)

2. Fechar a narina direita e retenha o ar nos pulmões (Ambos os lados estarão fechados) (Conte até quatro)

3. Soltar o ar pela narina esquerda (A narina direita permanece fechada)

(Conte até quatro)

4. Fechar a narina esquerda e manter os pulmões vazios (Ambos os lados estarão fechados) (Conte até quatro) Continue…

VOLTA (Ida – termo usado na Cabalah – “Coluna esquerda da Cabalah” = Negativa)

5. Retirar o anular da narina esquerda e inspirar o ar ;(Com a narina direita fechada) (Conte até quatro)

6. Fechar também narina esquerda e reter o ar nos pulmões; (Conte até quatro)

7. Expirar pela narina direita deixando os pulmões vazios; (Conte até quatro)

8. Fechar a narina direita e manter os pulmões vazios; (Com a narina esquerda fechada)

INSPIRAR com as duas narinas e EXPIRAR com as duas narinas (O famoso “respire fundo”) – Sushumnâ – conceito da Cabalah, ou melhor, “coluna do meio do Cabalah” =Equilíbrio.

OBS: Repetir esta série por SETE vezes. Em sete etapas ela é infalível.

Assim, com o tempo saberão respirar corretamente. Aproveitem!

Olhem os tipos que se designaram de respirações:

Respiração lenta: acalma, deixa a pessoa pacífica e compreensiva, produz clareza de pensamento. Ajuda a desenvolver uma percepção mais ampla de todos os fenômenos, aprofunda o autoconhecimento e a consciência universal. Diminui o ritmo das atividades biológicas e a temperatura tende a baixar.

Respiração longa: dá poder de concentração e sintoniza a pessoa com o ritmo do universo; traz paciência, calma, tolerância, desenvolve uma visão profunda das coisas e a consciência do aqui e agora. A memória e a visão do futuro tornam-se mais extensas e claras.

Respiração profunda: gera harmonia entre todas as funções do corpo e, com isso, há mais satisfação, estabilidade emocional, confiança e capacidade de expressão. Facilita a meditação e o sentimento amoroso.

Respiração rápida: excita, produzindo um estado mental instável. A pessoa muda de emoções bruscamente e tem reações inesperadas de ataque e defesa; torna-se mais subjetiva e egocêntrica, vê mais os detalhes que o todo, fica mesquinha.

Respiração superficial: gera carência, já que não supre as necessidades orgânicas de oxigênio e isso se reflete no estado mental e emocional. A pessoa fica medrosa, volúvel, insegura, ruim de memória e de intuição. A angústia tem muito a ver com isso.

Respiração curta: é dispersiva, traz impaciência, cria um ritmo irregular; a pessoa muda muito de idéia, tende à intolerância e ao mau humor. Custa-lhe adaptar aos ambientes, vive sempre em conflito e se apega mais aos detalhes que ao todo.

Daí se conclui, sem muito esforço, que uma respiração longa, lenta e profunda pode criar dentro de cada um de nós um oásis particular de harmonia, paz e saúde.

E para quem gosta de CANTAR, uma prática diária daRespiração Abdominal ou Diafragmática:

Um dos pontos mais importantes para se desenvolver um som vigoroso, para se tocar notas mais longas, para obter mais controle na afinação (inclusive nos dai meri and dai kari), e no decay das notas, é a respiração abdominal ou diafragmática.

Veja a figura abaixo:

Se estiver movimentando os ombros durante a inspiração e a expiração, significa que está usando arespiração torácica ou ainda mais curta, asubclavicular…

Experimente o exercício acima reparando em como está respirando.

Procurar se manter consciente disto enquanto toca!!! Um desafio e uma necessidade até o momento em que isto começa a fluir com naturalidade!

E tem mais alguns exercícios de respiração e meditação aqui para vocês:

Chi Kung – Meditação em Pé…

A meditação pode ser feita nas posições em pé, sentada, deitada ou em movimento, mas para aqueles que estão se iniciando nessa arte fascinante,  é aconselhável a posição em pé.

A Meditação em Pé é comparativamente segura e traz resultados rápidos. É uma técnica fundamental no Chi Kung Shaolin. Uma boa maneira de iniciá-la é observando o subir e descer do abdome, na medida em que respira.

Apenas fique de pé, com as pernas ligeiramente afastadas. Deixe os braços penderem ao lado do corpo, com os cotovelos e os dedos das mãos esticados e as palmas voltadas para trás.

Feche os olhos delicadamente e faça seu sorriso vir do coração.

Mantenha a mente e o corpo imóveis. Afaste quaisquer pensamentos. Tão logo qualquer pensamento entre em sua mente, expulse-o gentilmente, mas, com firmeza. Você irá entrar em contato com o vazio, que é tão pleno – um estado mental difícil de ser explicado com palavras e que tem de ser experimentado para que possa compreender sua verdade. Sinta a tranquilidade resultante da alegria e da paz interior.

Depois de aproximadamente dez minutos, ou quando estiver satisfeito com a prática, friccione as mãos e coloque-as suavemente sobre os olhos enquanto os abre. Massageie o rosto com delicadeza e, depois, caminho rapidamente cerca de trinta passos para completar o exercício.

E outra, Respiração que tonifica os nervos…

De pé, pernas e pés juntos, olhos fechados, mente firme, depois de completa limpeza, inicie um lento puraka, levando os braços estendidos para a frente, com as palmas das mãos para cima, até atingir a linha dos ombros. Nesta altura deverá ter terminado a inspiração e, então, mantendo kumbhaka (retenção), traga as mãos com punhos cerrados aos ombros, flexionando energética e vivamente os braços. Ainda mantendo a retenção, devolva os braços à posição anterior, no entanto use de uma força tal que os faça tremer, como se estivesse vencendo forte resistência. Tendo flexionado e esticado três vezes seguidas os braços, expire lentamente, deixando-os simultaneamente tombarem, enquanto o corpo relaxado flexiona um pouco para frente.

Adaptado do livro: Chi Kung for Health & Vitality (Chi Kung para a Saúde a a Vitalidade), de Wonh Kiew Kit.

                                                          

O futuro não precisa mais de revoluções. O futuro precisa de um novo experimento que ainda não foi tentado. Embora tenham existido rebeldes há milênios de anos, eles continuam sozinhos, individuais. Talvez ainda não fosse a hora deles. Mas agora não só é hora, como, se não nos apressarmos… Já não haverá mais tempo ou o ser humano desaparecerá ou um novo homem com uma nova visão aparecerá sobre a Terra. Ele será um rebelde. ~Osho~

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s